Cadê vocêêê? Cadê você, cadê você?

Domingo perfeito, fui ao Pacaembu assistir a vitória do Timão de 3 X 0 nos bambis. Cheguei mais cedo do que de costume e antes do jogo começar pude assisti o show da Fiel.

Logo que entrei a música cantada pela Gaviões me chamou atenção, eu já conhecia a melodia que é a mesma de uma música da Camisa 12, mas a letra era inédita, pelo menos pra mim. (Depois que escrevi esse texto vi no YouTube que essa música é antiga e que os rivais cariocas também cantam, mas com a Fiel cantando é outro nível.)

Parei e fiquei só observando a Fiel cantar, foi diferente, emocionante, todos fomos contagiados.

Cadê vocêêê?

Cadê você, cadê você?

Cadê você, cadê você?

Cadê você, cadê vocêêêêêêê?

Iiiiiiiii

No Pacaembu eu nunca vi

No Morumbi nunca tá lá

Timinho de Libertadores

Não tem torcida pra apoiaaaaar

Adorei a música, fala exatamente de como são os são-paulinos, omissos, ausentes. O legal é que a letra não tem nenhum xingamento e até respeita o novo estatuto do torcedor, perfeita.

Fiz um vídeo, ficou meio tosco.

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

7 Respostas to “Cadê vocêêê? Cadê você, cadê você?”

  1. Bruna F. C. Says:

    Prefiro as músicas que mostram mais o amor ao Coringão, mas em dia de jogo contra esse “tipo” de rival não custa nada homenagear,né? Afinal, freguês a gente tem que tratar bem!

  2. Uilson Souza Says:

    Boa a música!!!! Encaixa perfeitamente no caráter bambi!!!!

  3. NET SUJA.COM Says:

    Nossa realmente com a Fiel cantando é outra coisa,muito bom o post.
    Adoro esse blog.
    Parabéns Corintiana
    Vamos manter o Timao no topo…

  4. João Says:

    …E, na passagem do ano XCIX para o ano C, o povo ficou sabendo que, enfim, teria uma nova morada.

    E o povo, tantas vezes discriminado, perseguido, humilhado, mas sempre Fiel à sua devoção, se pôs a festejar, aliviadamente feliz.

    Um turbilhão de alegria e paixão, que afogou o despeito a arrogância dos filisteus.

    (Corinthians, 2010)

  5. Cristian Says:

    O time dos anarquistas:
    100 anos de ódio e resistência

    Mauro Carrara

    Há exatos 100 anos, um grupo de operários do bairro do Bom Retiro, em São Paulo, praticaram um ato de “desobediência civil”.

    À luz de um lampião, na rua, os insurretos decidiram criar um time de futebol do povo e para o povo.

    Atrevidos, decidiram que a nova agremiação não deveria se contentar com a várzea.

    O plano era formar um esquadrão para enfrentar, de igual para igual, os clubes da fechada elite paulistana.

    Ousados, já meteram a mão em foices para abrir uma cancha num terreno baldio, pertencente a um lenheiro do bairro.

    E, no primeiro jogo, contra o União Lapa, saíram em passeata até o palco da contenda.

    Mas como passeata? Passeata, sim senhor, porque essa gente era sobretudo anarquista, com a graça do bom Deus.

    O primeiro presidente do clube, o ítalo-brasileiro Miguel Battaglia, por exemplo, tivera contanto com o anarcossindicalismo ao prestar serviços para a Light.

    É dele a frase cândida, mas também desafiadora, que guia a nação alvinegra até hoje: “Este é o time do povo, e é o povo que vai fazer o time”.

    Essa turminha do barulho lia o jornal anarquista de Gigi Damiani, o La Battaglia, que exortava os trabalhadores a fundarem suas próprias escolas e agremiações esportivas.

    O time dos anarquistas não tinha bagunça. Cada um sabia das suas atribuições. Cada um assumia uma responsabilidade, conforme o que se aprendera de Bakunin e Malatesta.

    E assim se estruturou. Em 1913, os meninos bons de bola conquistam o direito de participar da divisão principal do futebol paulista.

    Ao mesmo tempo, o Paulistano e a A. A. das Palmeiras (nada a ver com o atual Palmeiras), enojados do cheiro do povo, se retiraram da liga e resolveram disputar um torneio paralelo.

    Começava ali uma história de ódio.

    A imprensa questionava a presença de um time de iletrados no mundo do chiquérrimo futebol, um jogo inventando por lordes ingleses.

    Quanta petulância!

    E para acirrar ainda mais os ânimos, o time dos anarquistas admitia gente de todos os tipos.

    Logo agregava os negros, os mulatos, os caboclos e outros filhos da terra.

    Mais um pouco e atraía também os outros segregados, polacos, libaneses, alemães, sírios, japoneses e gregos, gente que somente se entendia na alegria de torcer pelo Corinthians.

    Imaginem o escândalo: um time de anarquistas, pretos, imigrantes e boêmios invadindo as elegantes festas do Velódromo.

    Se o Corinthians ainda existe é por conta da brava resistência ao preconceito.

    Tudo lhe foi sempre negado ou dificultado.

    A mídia paulistana sutilmente construiu um estereótipo desabonador do corinthiano: é o ladrão, favelado, sem modos, sujo e vagabundo.

    E mesmo criminalizado o Corinthians sobreviveu, e se fortaleceu.

    E fortaleceu-se por qual motivo? Justamente porque sempre se cria um espírito de resistência solidária entre os oprimidos, ofendidos e injustiçados.

    Passaram-se 100 anos, e nada mudou.

    O Corinthians continua sendo alvo preferencial da mídia monopolista.

    Se o grande São Paulo Futebol Clube recebe um financiamento do BNDES não há nada de errado. É a ordem natural das coisas.

    Ora, mas se o banco vai financiar a “pretalhada”, os “gambás”, aí é uma vergonha.

    Se a ordem é investir dinheiro público no rico bairro do Morumbi, a imprensa sorri de orelha a orelha.

    Mas se a grana toma o rumo de Itaquera, na esfolada Zona Leste, já vira um caso de polícia.

    Estadão, Folha, Abril, Globo, ESPN, entre outras organizações midiáticas aproveitaram para criminalizar mais uma vez a paixão de Lula pelo time do povo.

    Está aí um prato cheio para colunistas políticos travestidos de colunistas esportivos: juntou o time dos anarquistas, do populacho, com o operário nordestino que se meteu a ser presidente…

    Ai, não dá, né? Ainda mais quando ambos, o time e o presidente apresentam atributos que encantam o povo e, logicamente, o eleitorado.

    Aqui, no Brás, os fogos espoucaram durante toda a madrugada.

    Subiam dos quintais de cortiços, das janelas de apartamentos minúsculos, de ruelas esquecidas e escuras, dos lugares onde o povo do Brasil ainda resiste, invisivelmente.

    Ahhh… Quanto ódio, meu Corinthians, mas quanta amorosa resistência!

    Parabéns pra você!

  6. calma bicharada Says:

    Calma bicharada, vocês estão nervosas porque não serão campeãs.
    Chora bicharada

    Curintia = a verdadeira bicharada.

  7. "watch free anime episodes online" Says:

    Quality articles or reviews is the key to be a focus for the people to pay a quick visit the
    web page, that’s what this web site is providing.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: